Home Office dificulta a vinda de estudantes ao Reino Unido

No início do mês de agosto, o departamento de imigração e fronteiras do Reino Unido, o Home Office, anunciou que as novas leis de imigração serão ainda mais restritas para vir estudar no Reino Unido a partir deste ano letivo – que inicia em setembro de 2009.

A Diretora Executiva da Agência de Intercâmbios LondonHelp4U, Francine Mendonça, acredita que as novas normas tornam a vinda de estudantes estrangeiros mais intrincada com o Novo Sistema de Pontuação. “Mas não são somente os estudantes que serão mais cobrados, irá dificultar também para as universidades e faculdades que os aceitaram, pois agora será necessária a obtenção de licenças especiais de cada instituição de ensino”, enfatiza Francine. A LondonHelp4U está autorizadas para fazer a solicitação da licença para colégios, faculdades e universidades, junto ao Home Office.

Dessa maneira, o Home Office pretende vincular o estudante a sua escola fazendo com que estas se tornem mais responsáveis pelos estrangeiros que trazem ao país. Uma das exigências é que as universidades e faculdades comuniquem imediatamente a Agência de Fronteira (United Kingdom Border Agency – UKBA) caso um dos estudantes não realizar a matrícula.

A tentativa visa proteger também os estudantes que não serão mais enganados facilmente com escolas e faculdades fraudulentas e de baixa qualidade que abusavam do antigo sistema imigratório.

Alguns critérios exigidos pelas novas regras são:

– que o estudante seja patrocinado pela instituição de ensino que irá estudar;

– provar que dispõem de fundos suficientes para viver no Reino Unido;

– provir suas impressões digitais;

O ministro de Imigração e Fronteiras, Liam Byrne, reafirma que quem tiver a intenção de vir ao Reino Unido deverá estar preparado para se adequar as novas regras. “É entendível que os estudantes de todo o mundo queiram aproveitar nossas fantásticas universidades, mas é preciso ter critérios duros, exigir identificações confiáveis e vínculos com as instituições, somente desta maneira podemos combater intrusos indesejáveis e instituições fraudulentas”, explica.

Os vistos só serão emitidos a estudantes que demonstrarem um histórico escolar satisfatório e que estiveram aplicando para cursos que enriquecem e qualifiquem seus currículos.

Sobre o suporte financeiro, será exigido que o estudante pague todas as taxas de seu primeiro ano letivo, além de disponibilizar outros £9.600 para cobrir suas despesas deste primeiro ano. Caso o estudante tenha algum dependente, terá que demonstrar que possui mais £535 por cada membro da família por mês.

Anualmente, estudantes internacionais trazem uma receita de £2.5 bilhões para a economia do Reino Unido somente em taxas escolares, sendo que esta soma chega a £8.5 bilhões adicionando outras contribuições.

Consciente destes números, o governo britânico incluiu uma categoria especial de visto para estes estudantes que concluem a graduação em universidades nacionais. Este visto possibilita que estudantes internacionais permaneçam trabalhando no país por dois anos após concluírem o ensino superior com êxito.

O ministro da Educação, Bill Rammell, parabeniza a iniciativa de oferecer esta oportunidade aos estudantes internacionais que optam pelo Reino Unido para cursar o ensino superior. “No entanto, não mais iremos tolerar indivíduos que tentam burlar nosso sistema educacional ou instituições fraudulentas. Por isso, estamos mudando algumas regras para que a efetividade deste processo seja ainda maior, tanto para os estudantes internacionais, quanto para a sociedade britânica”, aponta Rammell.

Sob o novo sistema educacional, a instituição que quisere ensinar estudantes internacionais terá que solicitar a licença especial concedida pela UKBA e será o patrocinador do aluno, providenciando a documentação necessária para aplicação do visto – sem a qual o processo de visto nem será considerado pelo consulado britânico. Após a emissão do visto, as instituições ainda terão que se responsabilizar pelo aluno internacional checando seu desenvolvimento escolar.

Ainda assim, as universidades e faculdades podem perder suas licenças caso não possuam em seus arquivos cópias do passaporte do estudante, detalhes e contatos do aluno; não comuniquem a UKBA se o estudante não efetuar a matrícula; não informar ausências sem autorização ou se o estudante parar de estudar.

As inscrições para as instituições de ensino tirem suas licenças já estão abertas.

Outras medidas que pretendem proteger o mercado de trabalho britânico ainda não foram anunciadas detalhadamente.

2 responses to “Home Office dificulta a vinda de estudantes ao Reino Unido

  1. eu wellington gostaria de saber mais sobre visto de estudante, que documentos eu preciso e como faço para conseguir e quanto tempo leva para ficar completo o visto.

    agradeço pela atencao.

  2. Ola, Wellington!
    Eu nao sou uma advisor que posso te aconselhar sobre esses assuntos imigratorios. O melhor a fazer e procurar a agencia LondonHelp4U, que tem sedes em Londres e Sao Paulo, onde eles trabalham e recebem informacoes diarias sobre este assunto.
    Entre no site http://www.londonhelp4u.co.uk e entre em contato com a agencia, ok?! Boa sorte!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s