Greenwich: uma aula de história

Já notou que em alguns casos o horário vem seguido pelas letras GMT? O significado disso está no parque de Greenwich, que corresponde ao G da sigla e o restante das palavras mean time, que significa tempo médio e é usado como marco da hora zero do mundo.

O parque de Greenwich abrange 74 hectares, incluindo partes inclinadas que oferecem uma vista privilegiada do rio Tâmisa, de Docklands, Blackheath, prédios de Bank e até a Catedral de São Paulo.

Foi o primeiro dos parques reais a ser cercado e nele estão prédios históricos importantes para a história inglesa como o Old Royal Observatory (Antigo Observatório Real), o Observatory Planetarium (Planetário), e tem como vizinho o Royal Naval College (Faculdade Real Naval), National Maritime Museum (Museu Nacional Marítimo) e a Queen’s House (Casa da Rainha).

O local foi habitado pelos Romanos por um tempo, porém sempre estará fortemente ligado à nobreza e a família real britânica. Desde que as terras do parque foram herdadas pelo Duque de Gloucester, irmão do Rei Henry V, gerações de monarcas viveram momentos significantes nesse magnífico parque.

Greenwich foi o local onde nasceu Henry VIII, quem introduziu veados e cedros no parque. Suas duas filhas, Mary I e Elizabeth I, também nasceram ali. Seu filho Edward VI faleceu em Greenwich antes de completar 16 anos.

O Rei Charles II foi o responsável por trazer ciência ao parque. Ele fundou a Royal Society (Sociedade Reais), em 1661, mesmo ano que iniciou a construção do Observatório Real, nominado Flamsteed em função do primeiro astrônomo real, John Flamsteed. Hoje, a peça pode ser encontrada no Museu Nacional Marítimo.

A partir de um hobby da realeza, somente séculos mais tarde que a idéia de uma hora única no país começou a ser elaborada. Seguindo a idéia de Dr. William Hyde Wollaston (1766-1828), popularizada por Abraham Follett Osler (1808-1903), foi criada uma única hora legal para todo o país (Inglaterra, Escócia e País de Gales). Foi a primeira nação no mundo a implementá-la.

Esta hora legal era medida pelo Observatório Real de Greenwich, em cooperação (desde 1830) com outros observatórios mundiais, e fundamentava-se em eventos astronômicos, em especial na rotação da Terra. O Observatório de Greenwich havia já desempenhado uma posição muito importante na navegação marítima baseada na medição exata do tempo.

Na seqüência, na década de 1840, as diversas horas locais britânicas foram substituídas pelo Greenwich Mean Time (GMT) ou Tempo Médio de Greenwich, também conhecido por hora de Londres.
A primeira companhia de caminhos de ferro britânica a adotar a hora de Londres foi a Great Western Railway, em Novembro de 1840. Rapidamente outras companhias a seguiram, e por 1847 quase todas usavam GMT. Em 22 de setembro de 1847, uma entidade de normalização industrial, a Railway Clearing House, recomenda que a hora GMT seja adotada em todas as estações, assim que os Correios Centrais o permitissem. (Os Correios Centrais faziam a comunicação da hora por telégrafo). Em 1855, a maioria dos relógios públicos da Grã-Bretanha apresentava a hora GMT.

2 responses to “Greenwich: uma aula de história

  1. ficou manero essas fots para fazer uma pesquisa do meridiano greenwich

  2. ola eu queria saber quando morreu

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s