GREEN PARQUE: PEQUENO E ACONCHEGANTE

Ele é o menor e não menos importante dos oito parques reais, conta com uma área de apenas 19 hectares, e é facilmente reconhecido por suas frondosas árvores e ausência de construções, lagos e canteiros floridos. Espremido entre o Hyde Parque, Picadilly, Palácio de Buckingham e o Parque Saint James – motivo pelo qual, um dia, já foi chamado de St James de Cima -; atualmente sua simplicidade se estende até no nome: The Green Park (O Parque Verde).

Desde suas primeiras aparições em referências históricas no século XV, o Green Parque faz parte do cenário londrino e do cotidiano da família real inglesa. Várias construções como bibliotecas, templos e casas de banho apareceram devido às extravagâncias de cada rei e rainha. Talvez uma das idéias mais excêntricas tenha sido a casa de gelo do Rei Charles II, uma das primeiras do Reino Unido, e que possibilitava o Rei servir bebidas geladas aos seus convidados durante o verão. Caprichos à parte, em 1855 todas as construções do parque já haviam sido destruídas, propositadamente ou não.

Uma das histórias mais conhecidas que explica o motivo pelo qual não é possível encontrar flores no Green Parque, atribui-se a um episódio protagonizado pelo Rei Charles II. Conta-se que num de seus passeios pelo parque o Rei apanhou uma flor e ofereceu a uma jovem senhorita. Sua esposa, descobrindo o acontecido, ordenou que todas as flores fossem arrancadas do Green Parque e, desde então, a única cor presente é o verde das árvores e gramados.

Mas foi com os trabalhos do arquiteto John Nash, em 1820, que o Green Parque definiu sua aparência distinguindo-se definitivamente dos outros parques ao seu redor. Árvores foram plantadas pela primeira vez; o Arco de Wellington foi erguido para marcar o fim do Green Parque e o começo do Hyde; a rota Constitution Hill foi planificada e, mais recentemente, memoriais homenageando soldados que combateram em guerras no século XX estão presentes nos limites do parque.

O Memorial da Artilharia Real e dos Soldados de outros continentes que serviram à Grã-Bretanha estão localizados na mesma rótula do Arco de Wellington, junto ao Portão dos Memoriais. O Memorial aos Soldados Canadenses está do outro lado do parque, próximo ao Portão que leva o nome do país que ainda hoje e um dos domínios da Coroa Inglesa.

Dentro do parque, em meio suas árvores, gramados e trilhas, o único pedaço concretado é uma singela fonte de bronze e granito chamada Constance, a qual foi erguida em junho de 1954 repondo outra fonte que também ocupava o mesmo posto. Na esquina norte do Green Parque, pros lados de Picadilly, está um dos hotéis mais famosos e glamurosos da cidade. Com mais de cem anos, o Ritz cobra cerca de ₤415 a diária mais em conta para casal, sendo que a Suíte do Príncipe de Gales passa em mais de cem vezes esse valor – ₤55.000 por noite!

Seguindo para o lado sul do Green Parque, cruzando suas alamedas inconfundíveis, é possível avistar um magnífico portão preto e dourado. O Portão do Canadá torna-se ainda mais interessante quando olhamos através dele. Ali, encontra-se o memorial da Rainha Victoria uma enorme fonte de mármore exibindo a estátua da rainha em consagração do Império Britânico e seus domínios, marcados pelos três portões em volta do memorial: Canadá, África do Sul e Austrália.

O restante do memorial e o que há em volta dele fica pra próxima semana, pois este local é exatamente onde o Green Parque encontra o Parque Saint James, que será o próximo tema desta série sobre Parques de Londres.

One response to “GREEN PARQUE: PEQUENO E ACONCHEGANTE

  1. Vitor silva de souza

    inteligente

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s